Big Festival – Veja quais são os jogos brasileiros participantes

Sendo o maior festival de games independentes da América Latina, em 2015 teremos seis jogos brasileiros participando nas principais categorias do Big Festival.

Por Adriano Ribeiro em 18 de maio de 2015

big_festival_indie_game

Junho talvez seja o mês mais aguardado por quem acompanha a indústria dos games, pois é o mês que é realizado os maiores anúncios no setor durante a E3. Porém às vezes deixamos passar despercebido um lugar que podemos caracterizá-lo como berço de criações e inovação. Um evento voltado para desenvolvedores independentes.

Existem diversos eventos ao redor do mundo que abraçam desenvolvedores independentes, porém o maior da América Latina, e talvez o mais acessível para desenvolvedores brasileiros, seja o Big Festival. Sendo realizado entre os dias 27 de junho e 5 de julho no Centro Cultural de São Paulo, o Big Festival é o primeiro festival independente de games da América Latina e já se encontra na terceira edição.

Desenvolvedores de todo o mundo podem mandar seus projetos para concorrer nas categorias de: Melhor jogo, Som, Arte, Narrativa, Gameplay, Inovação, Educacional e Prêmio do Público, com exceção da categoria Revelação Brasil que restringe a nível nacional. Dentre as categorias que foram listadas, temos até cinco jogos em cada uma delas. Com a participação de pelo menos seis títulos brasileiros participando nas categorias principais do festival, listamos com breve introdução sobre cada um deles.

Treeker: Os Óculos Perdidos

Primeiramente temos uma das principais produções nacionais participantes do evento. Treeker: Os Óculos Perdidos é o primeiro título brasileiro a participar da categoria de Melhor Jogo no Big Festival, além das categorias: Revelação Nacional e Melhor Arte.

Sendo desenvolvido pela Blubox Soft e seu único integrante, Fernando Paulo, Treeker: Os Óculos Perdidos coloca os jogadores por uma aventura em primeira pessoa rodeada de mistérios que se juntam em uma produção em puzzle e em plataforma. Somos descritos como um caçador de tesouros viajante pelos mares, onde nosso personagem busca por um estranho par de óculos antes descritos por antigos aventureiros e piratas que quem encontrá-los são reféns de estranhos acontecimentos.

Após chegar ao local onde supostamente podemos encontrar pistas sobre o paradeiro dos óculos, nosso navio bate em algo e naufragamos. Acordando em uma ilha deserta, nosso personagem parece ter encontrado os óculos e seu uso permite visualizar objetos antes não vistos antes. Tornando-se uma ferramenta essencial para a progressão do jogador.

Treeker: Os Óculos Perdidos já está disponível por R$ 15.99 no Steam.

Momodora III

Sendo o terceiro título da série desenvolvido pelo estúdio Bombservice, Momodora III participa da categoria Revelação Brasil mesclando visual em pixel-art com jogabilidade acelerada. Apesar de já ter sido lançado dois títulos anteriormente, os desenvolvedores afirmam que não é necessário jogar as produções anteriores, pois o título tem foco em uma história simples e na mecânica linear de seus antecessores.

O enredo gira em torno de aparições estranhas e repetinas no vilajero KoHo. Procurando investigar e resolver o problema, os habitantes da aldeia enviam as duas sacerdotistas: Momo e Dora. Momodora III já está disponível no Steam por menos de R$ 8.99.

Odallus: The Dark Call

Participando na categoria Revelação Brasil, Odallus tem como fonte de inspiração clássicas produções para NES. De visual retrô, a semelhança com títulos como Castlevania, Ghosts’n Goblins e Demon’s Crest falam alto. Seu design simples e jogabilidade arcaica montam uma produção que conta até mesmo com o grito de ataque do protagonista semelhante ao do Alucard em Castlevania: Symphony of the Night. Que bela homenagem hein?

Por ser um título linear side-scrolling que foca na mecânica de ação e exploração, Odallus permite o jogador escolher diferentes opções de caminhos em cada nível, sendo elas até mesmo para diferentes fases. Vale destacar que os desenvolvedores afirmam que qualquer que seja sua escolha, ela estará repleta de perigos e demônios para os quais Haggis deve ficar sempre atento.

Odallus: The Dark Call ainda não foi lançado, mas já é possível fazer a pré-compra por US$ 15 pelo site oficial. O título já recebeu sinal verde (foi aprovado) no Steam Greenlight e deve ser lançado também para plataforma Steam.

Toren

Conhecido não só por ser o primeiro jogo a receber benefício da Lei Rouanet mas também por seu visual abstrato e singular, Toren concorre na categoria Revelação Brasil. Produzido pelo estúdio brasileiro Swordtales, Toren usa como fonte de inspiração as principais obras de Fumito Ueda, o criador de Ico e Shadow of the Colossus.

A produção tem como foco a história da garota Moonchild – Garota da Lua. Os jogadores acompanham a Moonchild durante seu ciclo natural, passando por momentos importantes da vida, como aprender a andar. De forma breve, o principal objetivo é fazer com que Moonchild chegue até o topo da torre que se chama Toren, daí vem o nome. Durante a aventura teremos como principal empecilho um dragão que fará de tudo para que a garota não chega ao topo.

Toren foi lançado dia 12 de abril para PlayStation 4 e PC. Para utilizadores do Steam ou de outras plataformas digitais, já é possível efetuar a compra por R$ 20.

Wyz

Participando na categoria Educação & Aprendizado, Wyz é um jogo educacional desenvolvido pela Los Cuatro Pixs, estúdio que nasceu a partir de um “grupo de amigos apaixonados por tecnologia e educação”. Com objetivo de auxiliar crianças surdas, Wyz usa de histórias e desafios que dão oportunidades para elas aprenderem novas frases e palavras em português, além de reforçar seu conhecimento em língua de sinais.

A jogabilidade educativa se constrói na coleta de letras em ordem correta para formar palavras e superar obstáculos. Sendo um mundo com três ambientes diferenciados e 30 fases, Wyz já está disponível gratuitamente para download pela App Store.

Magenta Arcade

Desenvolvido pelo estúdio mineiro Long Hat House, Magenta Arcade participa na categoria Revelação Brasil. Aqui temos uma mecânica descrita como inovadora chamada curiosamente de “shooter-de-dedo”, onde o dedo do jogador é a grande arma do jogador, mas também sua maior vulnerabilidade.

A própria descrição do porquê disso tudo é descrito pelos próprios desenvolvedores. “O ciclo de desejos é um ritual sagrado para todos, é quando você – um gigantesco deus – realiza os pedidos de seu povo. A paz reinou por vários ciclos nessa terra. Tudo muda quando você realiza o desejo vil de um certo Ivo Magenta. Agora tudo está em suas mãos, literalmente!

Magenta Arcade já está disponível no Google Play (R$ 3.99), App Store ($1.99) e Amazon ($1.99).

Comentários