Impressões – Cuphead busca relacionar o novo e o clássico

Durante demonstração nos sentimos ao controle do Mickey Mouse nas clássicas produções do Walt Disney.

Por Anderson Araújo em 19 de setembro de 2016

cuphead_gamenexus

Cuphead é sem dúvida um dos jogos mais singulares, em anos, na indústria do videogame. Seu visual inspirado na década de 30 – época que datou a criação das primeiras animações a cores no mundo, aliado a sua dificuldade apurada no estilo em plataforma, que marcou a era de ouro do videogame, resgata um dos elementos que se tornaram escassos em jogos atuais: o multiplayer local.

Ao chegarmos na Brasil Game Show 2016, o maior evento de games da América Latina, nos deparamos com diversas empresas com grandes estandes e diversos títulos para serem testados. Uma cena padrão encontrada em todo evento de games. Em meio ao estande da Xbox, uma pequena fila se forma. Um dos poucos jogos que temos dois controles e um multiplayer local para desfrutar, és que falamos de Cuphead.

O jogo é simples, direto e cumpre com o papel que todo jogo deveria cumprir: divertir. Na demonstração podemos selecionar escolher o modo Single ou Multiplayer. Após isso, em visão isométrica caminhamos pelo mapa em busca dos estágios, possibilitando ser direto para chefões ou estágios com desafios e inimigos – assim como na maioria dos jogos em plataforma. Alguns locais não estão acessíveis, pois é preciso buscar algum item, derrotar algum chefe, entre diversas possibilidades. Ao encontrar um estágio disponível, já damos de cara com uma sequência de chefões. Temos a Batata, a Cebola e a Cenoura, cada um com habilidades, mecânicas e macetes diferentes.

A jogabilidade é suave, podendo atirar para cima, para os lados e nas diagonais, sendo possível o personagem se abaixar e pular enquanto faz ambos movimentos atirando. Uma dificuldade é atirar nas diagonais, pois o personagem não fica parado, sendo o único ponto negativo observado no jogo, pois ficar sempre se movimentando ao mirar na diagonal dificulta ainda mais alguns desafios. Os personagens acumulam também um golpe especial que pode ser utilizado em qualquer momento nos estágios.

Com demonstração rápida, esse pouco tempo de jogo já desperta aquele desejo da versão final, que deve contar com muita aventura, um visual deslumbrante, diversão e a possibilidade de convidas amigos para aquela jogatina em grupo. Cuphead vem com a proposta básica, objetiva e além de universal, divertida. Um ponto que, pelo menos na demonstração, ele cumpriu muito bem.

Comentários